5 de junho de 2016

Municípios baianos encolhem festas de São João por conta da crise econômica

Prefeituras do interior do estado reduziram a quantidade de dias para a realização dos festejos de São João, na comparação com o ano passado. Dentre os 11 municípios consultados por A TARDE onde a festa é tradicionalmente realizada, sete optaram pela redução: Amargosa, Senhor do Bonfim, Cruz das Almas, Santo Antônio de Jesus, Mata de São João, Utinga e Camaçari.

Em Candeias, a festa foi cancelada pelo segundo ano consecutivo. Cachoeira manteve a mesma quantidade de dias de anos anteriores. Já Santo Amaro, que não teve o festejo ano passado por causa das chuvas, vai fazer uma festa com menor proporção. Apenas Jequié conseguiu ampliar o quantitativo de dias (ver matéria abaixo), mas fazendo um São João mais 'pé de serra', sem grandes atrações.

Os prefeitos ouvidos pela reportagem alegam que a atual crise econômica e a necessidade de contenção de gastos são os fatores que levaram às reduções em 2016, ano de eleições municipais, quando muitos prefeitos devem tentar a reeleição.

Corte

A menos de um mês do São João, Utinga ainda não tem a grade de atrações fechada. A festa será reduzida em 50%. Ano passado, foram quatro dias. Desta vez, serão somente os dias 25 e 26 de junho. Segundo o prefeito Luiz Alberto Muniz, o corte se deve à crise econômica e a uma diminuição na arrecadação do município.

Ele disse que tem ouvido relatos semelhantes de prefeitos de várias cidades do interior do estado. "Utinga tem um dos festejos mais antigos. Tínhamos uma cultura de uma semana de festas. Hoje, os artistas estão ligando, oferecendo shows", ressaltou Muniz.

Ainda não está definido quanto será gasto na festa, segundo Muniz. A estimativa é que seja 50% do que foi gasto no ano anterior, com recursos do próprio município. "A (Superintendência de Fomento ao Turismo) Bahiatursa não sinalizou nada até o momento. Há uma expectativa da nossa parte", afirmou. Caso seja disponibilizado algum recurso estadual, a intenção é contratar "uma atração de peso" para atrair público.

Na última sexta-feira, a Bahiatursa informou que prorrogou até amanhã as inscrições para os municípios interessados em receber verba pública para os festejos juninos de 2016. Há cinco categorias com valores que variam de R$ 100 mil a R$ 20 mil.

O edital para seleção foi publicado no Diário Oficial do Estado do último dia 26 e contempla as comemorações de Santo Antônio, São João e São Pedro. Em Salvador, a situação ainda não está definida. Segundo a assessoria do órgão estadual, falta definir data e programação.

Inscrições

Segundo a presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Maria Quitéria, há uma previsão de que muitos municípios reduzirão ou até deixarão de fazer o São João. "Mas só teremos esse número real após o resultado do edital da Bahiatursa".

Em Senhor do Bonfim, houve redução de um dia. Segundo o prefeito Edivaldo Correia, o município está "falido". "A gente não tem dinheiro para tapar buraco. É uma festa que o povo cobra e que não dá para deixar de fazer. Exigem atrações que estão no ápice", disse. A previsão é gastar R$ 1,2 milhão, R$ 400 mil a menos que em 2015.

Correia afirmou que o município investe em atrações como a dupla Victor e Leo e Bruno e Marrone, na esperança de conseguir patrocínios privados. No entanto, até agora, só uma empresa da cidade investirá na festa.

Em Santo Antônio de Jesus, a previsão é de que o corte de seis para quatro dias signifique uma economia de aproximadamente R$ 1 milhão. Já em Cachoeira, há a previsão de uma redução de R$ 200 mil, mantendo a mesma quantidade de dias, mas com a redução do número de atrações. "O município se organiza o ano todo. É uma tradição mantida como prioridade", frisou o coordenador da Secretaria de Cultura do município, Leonardo Marques.

Postagens relacionadas

Municípios baianos encolhem festas de São João por conta da crise econômica
4/ 5
Oleh