14 de dezembro de 2014

RJ: Mãe de assassino da Baixada tem medo do filho e está aliviada com prisão

“Infelizmente, temos a certeza de que ele está dizendo a verdade’’. A afirmação é de Denise das Graças, tia de Saílson José das Graças, de 26 anos, que falou nesta sexta-feira sobre o pavor da família ao vê-lo na TV confessando ser um serial killer. Segundo ela, a mãe do criminoso, Janilda Bonifácia, chorou muito ao saber de sua prisão, mas, nesta sexta-feira, ficou aliviada.

— Ela se sentiu melhor depois de perceber que, preso, Saílson não vai tirar a vida de mais ninguém. Minha irmã passou boa parte da vida se mudando de três em três meses, envergonhada pelos roubos que o filho praticava em casas vizinhas. Agora, vai se mudar outra vez. Está com medo de sofrer represálias de parentes das vítimas. E sente medo dele também. Saílson já a ameaçou com uma faca — contou Denise.

PROMESSA DE MATAR

Segundo a tia, Janilda cogitou ver o filho na Divisão de Homicídios, mas desistiu da ideia ao lembrar das visitas que fez a Saílson nas duas ocasiões em que esteve preso, por roubo e porte ilegal de arma. Denise contou que nunca registrou queixa numa delegacia contra o filho por temer uma vingança.
— Numa ocasião, Saílson puxou uma faca para ela. Disse que, um dia, iria matar a mãe e as irmãs (de 23 e 25 anos). Quando foi preso pela segunda vez, em 2010, por porte ilegal de arma, ele exigiu que Janilda lhe desse dinheiro a cada visita. Dizia que, se a mãe não arrumasse grana, seria morto ou algo aconteceria a ela — afirmou a tia.

FACADAS EM ANIMAIS

Denise contou que Saílson começou a apresentar um comportamento violento aos 11 anos, depois que seu pai morreu eletrocutado num acidente de trabalho. Na época, ele teria começado a matar gatos e galinhas a facadas, e, ao chegar à adolescência, passou a invadir casas para roubar bombas d’água. A família, no entanto, não acredita que o criminoso tenha um distúrbio mental: para parentes, ele se tornou um matador de aluguel. A tia lembrou que, recentemente, Saílson saiu duas vezes de madrugada com um motociclista e, na última, apareceu em sua casa com as mãos sujas de sangue.
— De vez em quando, ele vinha para minha casa e um rapaz branco e alto o buscava de moto. Um mês atrás, o sujeito apareceu às 2h30m e meu sobrinho o esperava. Saílson voltou às 7h com as mãos ensanguentadas e não quis contar o que aconteceu — disse a tia, acrescentando que o criminoso chegou a ser internado numa clínica de reabilitação em Cascadura, mas fugiu no início do tratamento.

O Globo 

Postagens relacionadas

RJ: Mãe de assassino da Baixada tem medo do filho e está aliviada com prisão
4/ 5
Oleh